.

.

Entenda como funciona a vacina da Pfizer contra a Covid-19

 

Pela primeira vez, dados sobre a eficácia de uma vacina para Covid-19 foram divulgados, com reações favoráveis da comunidade científica e das bolsas de valores no mundo todo. A norte-americana Pfizer e a alemã BioNTech anunciaram ontem que uma análise preliminar do estudo de fase 3 da substância que vem sendo testada em 43.538 pessoas — 2 mil delas no Brasil — teve eficácia “superior a 90%”. Isso significa que nove em cada 10 voluntários imunizados foram ficaram protegidos contra o Sars-CoV-2 com duas doses da vacina. Porém, especialistas lembram que os resultados não são os definitivos e que, como nenhum artigo científico foi publicado, faltam informações importantes, como a faixa etária dos participantes.

 

Foto: AFP / ANDREW CABALLERO-REYNOLDS

O anúncio foi feito pelo CEO da Pfizer, Albert Bourla, em um comunicado para a imprensa e os investidores. “Hoje (ontem), é um grande dia para a ciência e a humanidade. O primeiro conjunto de resultados do nosso ensaio de fase 3 da nossa vacina para Covid-19 fornece a evidência inicial da capacidade em prevenir a Covid-19”, disse, acrescentando: “Estamos atingindo esse marco crítico em nosso programa de desenvolvimento de vacinas em um momento em que o mundo mais precisa, com taxas de infecção atingindo novos recordes, hospitais quase excedendo a capacidade e economias lutando para reabrir.” Imediatamente após a divulgação da nota, as bolsas de valores do mundo todo passaram a operar em alta.

A vacina da Pfizer/BioNTech foi apresentada em 17 de março e, até agora, mais de 34 mil pessoas receberam as duas doses. Atualmente, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), 11 imunizantes estão na fase 3 de testes, sendo que nove estão com resultados preliminares prontos, embora ainda não divulgados. No comunicado, Bourla afirmou que espera ter dados suficientes para publicar a análise em uma revista científica até dezembro. Ainda sem previsão para o lançamento comercial, a substância é cotada para entrar no mercado no primeiro semestre de 2021. O governo brasileiro não se mostrou interessado, até agora, em adquirir doses da vacina.

A análise divulgada ontem se refere a um grupo de 94 participantes do estudo e que desenvolveram a Covid-19. Desses, 90% receberam placebo. Não mais que oito dos que adoeceram foram imunizados com a vacina de mRNA, protocolo que utiliza a sequência genética do vírus para ensinar as células a reconhecer e lutar contra ele.

Nenhum comentário:

Videos reportagem